COMO FOI A TRANSIÇÃO DO BRASIL IMPÉRIO PARA A REPÚBLICA - As moedas estavam lá para nos contar mais essa história!

Com as comemorações da proclamação da república neste 15 de novembro, é sempre bom relembrar um pouco da nossa história. As moedas circulavam ainda com as armas imperiais quando foi rompido o grito republicano que mudaria o Brasil. Grito meio rouco e tímido! Quase como um grunhido de um moribundo. Nosso país fora jogado de fato no mar revolto dos desmandos, dos jeitinhos e da corrupção ativa e passiva. Não que o império seria a solução mais viável, mas questiono a forma como se deu a república. A república nasceu de um golpe, que categoricamente as páginas de nossa história volta e meia repete o feito mudando somente os personagens. Mas o fato desta postagem, versa sobre a transição *império-república*, um momento em que o Brasil estava em permanente ebulição, desde 13 de maio de 1888 com a assinatura da Lei Áurea pela princesa Isabel, acontecimentos espetaculares e traumáticos se sucediam um após o outro. A Questão Militar que vinha se arrastando desde 1883, com o debate em torno da doutrina do soldado-cidadão, que defendia a participação dos oficiais nas questões políticas e sociais do país, teve uma conclusão repentina, com o golpe militar republicano de 15 de novembro de 1889.

A derrubada da Monarquia, ocorreu sem derramamento de sangue, terminou por provocar reações anti-republicanas. Uma nova constituição foi aprovada em 1891, tornando o Brasil uma república federativa e presidencialista no modelo norte-americano. Separou-se o estado da Igreja, fato provocou a indignação de Antônio Conselheiro, também ocorreu a ampliação e o direito de voto, foi abolido o sistema censitário existente no Império permitindo que todo o cidadão alfabetizado pudesse tornar-se cidadão de fato.
Mil Réis 1890
As dificuldades políticas da implantação da República se aceleraram com a crise inflacionária provocada pelo Encilhamento, quando o Ministro da Fazenda, Rui Barbosa, autorizou um aumento de 75% na emissão de papel-moeda nacional. Houve muito desgaste do novo regime devido ao clima de especulação e de multiplicação de empresas sem lastro (mais de 300 em apenas um ano). O presidente da República, Mal. Deodoro da Fonseca chegou a fechar o Congresso, o que serviu de pretexto para a Marinha de Guerra rebelar-se exigindo e conseguindo a renúncia do então presidente, ocorrida em 23 de novembro de 1891, pouco depois do golpe que derrubou o império. Deodoro doente desde que assumiu a presidência e ainda mais fragilizado depois de sua renuncia, retirou-se, sendo substituído pelo vice-presidente Mal. Floriano Peixoto.
O ano de 1893 seria marcado pela revolução federalista ocorrida no Rio Grande do Sul, quando os *maragatos* se levantaram contra o governo de Júlio de Castilhos, conduzindo o estado a uma dolosa guerra civil. Neste mesmo ano, ocorreria o segundo levante da Armada, novamente liderado pelo Al. Custódio de Melo, seguida pela adesão do Al. Saldanha da Gama, que juntos chegaram a bombardear o Rio de Janeiro, Floriano Peixoto consegue uma certa mobilização popular em defesa da capital e Custodio de Melo resolve abandonar a baía da Guanabara para juntar-se aos maragatos que haviam ocupado Desterro (em Santa Catarina). A guerra no sul militarmente se encerra com a morte de Gumercindo Saraiva o guerrilheiro maragato em 1894, e com derrota da incursão do Al. Saldanha da Gama na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai em 1895. A guerra tinha produzido mais de 12 mil mortos. Logo depois Prudente de Morais assume a presidência da jovem e conturbada república, alcançando um acordo de paz assinado em Pelotas em 1895.

Foi nesta seara turbulenta, que o Brasil iniciou sua transição, saindo timidamente dos últimos atos do império para o inicio de uma república completamente desorganizada. Um período marcado por transformações repentinas e radicais, pela abolição da escravidão ainda sob o teto imperial, pelo golpe republicano, pelo fechamento do Congresso, pelo estado de sítio, por dois levantes da Armada e por uma cruel Guerra Civil, que a população urbana ouviu com espanto a notícia, em novembro de 1896, de que uma expedição de 100 soldados havia sido derrotada pelos jagunços do interior da Bahia. Logo depois começaria a Guerra de Canudos! Mas isso já é uma outra história.

Para entender:

Maragato foi o nome dado aos sulistas que iniciaram a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul em 1893, em protesto a política exercida pelo governo federal representada na província por Julio de Castilhos. Os maragatos eram identificados pelo uso de um lenço vermelho no pescoço, simbolizando sua oposição.

Postar um comentário

0 Comentários