FUNDIÇÃO E CUNHAGEM OFICIAL DE OURO NO BRASIL – Do quinto ao Gold London Market.


No início do século XVIII, para controlar a extração de ouro e a evasão de ouro em pó, cuja circulação estava proibida nas regiões de mineração, foram abertas as Casas de Fundição, onde o ouro extraído era transformado em barras e marcado com as armas do Reino; o número de ordem; o grau de pureza; o ano de fundição; o peso e o nome ou as iniciais da Casa de Fundição. As barras eram acompanhadas de certificado ou Guia que comprovava a legitimidade da posse e o pagamento do “quinto”, que era a quinta parte do metal paga à Corte, em Portugal.

Para amenizar a falta de dinheiro na colônia, D. Pedro II de Portugal (1683-1706) determinou a criação da primeira Casa da Moeda no Brasil. Com equipamentos e pessoal especializado vindos de Portugal, a Casa da Moeda foi instalada na Bahia, em 1694. Posteriormente, foi transferida para o Rio de Janeiro, em 1698, e de lá para o Recife, em 1700, de onde retornou para o Rio de Janeiro, em 1703, onde permanece até hoje.

A “LAVAGEM” DO OURO AO PÉ DO ITACOLOMI. (Gravura de Rugendas: Lavagem de ouro de Itacolomi, tirada do livro de Eduardo Bueno, Brasil: Uma História – A Incrível Saga de um País, pág. 107.)

O que é o quinto?
O Quinto era um direito cobrado pela Coroa de Portugal e as Casas de Contratações sobre o ouro encontrado em suas colônias. Correspondia a 20% do metal extraído e sua forma de cobrança variou conforme a época e a coroa portuguesa era feita das primeiras doações das capitanias hereditárias por D. João III, em 1534. Mesmo antes do descobrimento de minas de ouro no Brasil, as "Ordenações do Reino" estabeleciam como direitos reais, entre outros, as minas de ouro e prata ou qualquer outro metal.

De 1695 até 1922, quando ocorreu a última cunhagem de ouro para circulação, a Casa da Moeda cunhou regularmente moedas de ouro. Atualmente, situado no Distrito de Santa Cruz, no estado do Rio de Janeiro, o complexo industrial da Casa da Moeda ocupa 500.000 metros quadrados de área. Entre 1984 e 1993, a Casa da Moeda desenvolveu atividades de refino e de titulação de ouro, cuja qualidade técnica foi internacionalmente reconhecida pelo “Gold London Market”, em 1984, quando recebeu o “Good for Delivery” (bom para entrega), a mais importante credencial do gênero. Atualmente, a Casa da Moeda só produz, em ouro, medalhas e moedas comemorativas.


INFORMAÇÕES CONTIDAS EM UM LINGOTE DE OURO


Foi utilizado como base para nossa análise informativa um lingote de ouro de Serro Frio. Existem diferenças no tocante a posição dos símbolos apresentados nos lingotes de acordo com a Casa de Fundição onde foram concebidos, mas em suma, as informações apresentadas eram de uso geral mesmo com certa diferença na ordem e posicionamento das marcações.


CASAS DE FUNDIÇÃO BRASILEIRA

SABARÁ - Século XVIII de 1801 até 1808 e de 1809 até o fim da colônia
VILA RICA - Século XVIII de 1801 até 1808
SERRO FRIO - Até o final da colônia, Fundições também durante o Reino Unido, 1º Império e 2º Império.
RIO DAS MORTES - Século XVIII até o final da colônia, também esteve presente durante o Reino Unido.
GOIÁS - Século XVIII até o final da Colônia e durante o 1º Império
CUIYABÁ - 1º Império
CASA DA MOEDA DO BRASIL - Todo o período imperial 

Postar um comentário

0 Comentários