UM RARO CORAÇÃO - Agricultor de Cuiabá doa 780 moedas para Museu Nacional


Morador na zona rural de Cuiabá-MT, Moacir da Silva Ayres, de 56 anos, vive do que planta e colhe no assentamento onde reside. Mas este brasileiro não virou notícia por sua ocupação, mas sim, por conta de um presente que ganhou do pai, quando tinha apenas 11 anos. Ele ganhou duas moedas antigas, uma de 200 e outra de 400 réis. A partir daí, não parou mais. Juntando algo em torno de 780 moedas em seu pequeno acervo particular.

Os anos passaram e Moacir guardou com muito cuidado sua coleção, mas ao assistir as notícias sobre a tragédia ocorrida no Museu Nacional, foi surpreendido com uma notícia de que o fogo consumiu 200 anos de história e um acervo catalogado de mais de 20 milhões de peças. Para o agricultor, doar sua coleção seria um importante passo para a reconstrução e recomposição do acervo do Museu Nacional.

Representantes do Museu estiveram em Cuiabá para buscar a coleção de moedas de Moacir que chorando de emoção, entregou sua pequena coleção oficialmente ao Museu Nacional.

“Estou doando de coração, não tem dinheiro que pague, mas milhões de brasileiros vão ver estas moedas no Museu. Inclusive, eu quero pedir de coração, se Deus me der saúde quando reinaugurar o Museu quero ir lá vê-las no mostruário”.

Pude acompanhar alguns comentários e postagens de péssimo gosto disparadas por alguns "numismatas" em diversas redes sociais, criticando as moedas que foram doadas por este nobre brasileiro. Na verdade, ele pode não possuir dentre suas 780 moedas, uma peça da coroação, soldos, patacões recunhados sobre sol argentino ou mesmo uma 500 réis casaquinha, mas possui um raro coração! Seu gesto não fica marcado pela raridade do acervo possui, mas pelo humilde gesto e confiança no ressurgimento de um dos museus mais importantes do mundo. Quem dera ter no Brasil uma coleção de corações tão raros quanto o coração do Moacir. 

Foto: TVCA/Reprodução

Postar um comentário

0 Comentários