DRACMA – A bravíssima história de uma moeda.

Dracma de Perozes I (r. 459–484)

Dracma era um tipo de moeda utilizada na Antiga Grécia e em alguns reinos do Oriente Médio, durante o período helenístico. A dracma é considerada a unidade monetária com maior tempo de circulação no mundo, sendo utilizada na Grécia até o ano de 2002, quando o Euro passou a ser adotado pelos gregos como moeda oficial.

Dracma também pode ser uma medida de peso, equivalente 1.772 gramas e que ainda é utilizada em alguns países. Este modelo de medida era bastante utilizado para pesar metais preciosos. Exemplo: dracma inglesa.

A palavra Dracma vem do verbo grego “drássomai”, que significa “eu seguro” ou “eu pego”, podendo também se referir à palavra “punhado” ou “quantidade que cabe na mão”.

Por isso, acredita-se que a palavra Dracma se refere originalmente a um “punhado” de 6 obols. Obol era uma moeda primitiva em forma de barra de metal. Seis obols era a quantidade máxima que cabia na mão de uma pessoa.

CURIOSIDADE - Relatos históricos afirmam que o salário diário da maior parte dos cidadãos gregos era de 1/2 Dracma. De acordo com George Grote, historiador, o valor era considerado adequado para a sobrevivência de um cidadão considerado pobre para a época (335 a.C.).

SISTEMAS DE VALORES - Para que possamos ter uma noção mais aproximada da realidade utilizaremos o padrão de Atenas, onde o Dracma era uma moeda feita de prata, pesando aproximadamente 4,3 gramas. Assim, recriaremos outros valores de moedas da época, multiplicando ou dividindo a quantidade de prata do Dracma. Vamos aos exemplos:

MOEDA / VALOR EM DRACMA / PESO EM PRATA

Dekadracma / 10 Dracmas / 43g

Tetradracma / 4 Dracmas / 17,2g

Diadracma / 2 Dracmas / 8,6g

Dracma / -------------- / 4,3g

Triobol / 1/2 Dracma / 2,15g

Obol / 1/6 Dracma / 0,72g

REPRESENTAÇÕES ALEGÓRICAS (SÍMBOLOS) - O Dracma em geral era cunhado para circulação, mas também exercia o importante papel de homenagear heróis, deuses ou animais sagrados da mitologia grega. Cada cidade-estado da Grécia Antiga possuía independência e autonomia na cunhagem de suas moedas, por isso, existe uma grande variedade de símbolos e alegorias sobre os dracmas. Devemos lembrar que a representação de personalidades relevantes (bustos humanos de reis ou imperadores) só foi popularizada a partir do período republicano da Roma Antiga, mais precisamente nas eras finais do período. Observe alguns dos principais símbolos ou alegorias que cada cidade ou região costumava cunhar em suas moedas:

CIDADE OU REGIÃO / ALEGORIA OU SÍMBOLO

Acaia / Cabra

Atenas / Coruja (referência à deusa Atena)

Cnido / Afrodite

Córcira / Vaca

Corinto / Pégaso Alado

Cíclades / Ânfora, cachos de uva

Delfos / Golfinho (referência ao deus Apolo)

Egina / Tartaruga

Éfeso / Busto de cervo

Lídia / Cabeça de leão de perfil

Macedônia / Bode

Mileto / Leão deitado

Náxos / Dionísio

Focéia / Foca

Pesto / Poseidon e seu tridente

Rodes / Rosa; touro

Siracusa / Quadriga (carruagem com quatro cavalos)

Tarento / Apolo ajoelhado; Taras (filho de Poseidon) sobre um golfinho.

Tessália / Cavalo; touro


PROCESSO DE CUNHAGEM – Recriar com exatidão o processo de cunhagem de moedas antigas é uma missão quase impossível, nos aproximamos de alguma forma quando observamos as peças da época, onde buscamos deduzir as técnicas de cunhagem aplicadas há mais de 2 mil anos. Partindo desta premissa, o Instituto de Arte de Chicago recriou o que podemos chamar de produção de moedas da Grécia Antiga. O estudo aponta três principais etapas na cunhagem:


1.ª ETAPA – Um molde é confeccionado a partir de uma mistura de argila com areia, servindo para a produção de um molde que irá resistir a altas temperaturas. Várias cavidades iguais são feitas no molde.

2.ª ETAPA – Para que as moedas sejam moldadas a partir do molde confeccionado, entramos com o metal fundido, este, é colocado dentro das cavidades do molde, assim, serão produzidas peças com o mesmo peso e tamanho, mas ainda serão discos lisos de alguma liga metálica.

3.ª ETAPA – O cunho. Dois moldes de metal previamente fabricados com as imagens do anverso e reverso que irão aparecer nas moedas comprimem os discos ainda lisos. Através de um golpe de martelo os dois moldes de cunho marcam a moeda em seus dois lados, assim, as moedas recebem a cunhagem das imagens em alto relevo. A moeda está pronta para circulação.


CURIOSIDADE - No período do ministério terrestre de Jesus, embora já existisse a presença dos conquistadores romanos a dracma já tinha seu peso reduzido para cerca de 3,4 gramas. No primeiro século d. C., os gregos equiparavam a dracma ao denário (moeda romana), mas o governo romano calculava o valor oficial da dracma como de três quartos de um denário. Em outras palavras a moeda romana valia mais.

VALOR ATUAL DA DRACMA ANTIGA - A dracma é igual ao denário (moeda dos conquistadores romanos). Eles estabeleceram que o preço de um dia de trabalho para um trabalhador braçal equivaleria a 1 denário. Assim podemos imaginar o que um trabalhador braçal hoje ganha por dia. Tomando como base os valores atuais, superinflacionados (sem contar com margens de lucros, margens de risco, impostos, custos operacionais, de marketing, investimentos e etc) ele valeria o equivalente à R$ 34,75 (R$ 1.042,71 /30 – Já contando com o novo salário mínimo previsto para 2020). O denário era inicialmente dividido em 10 asses, então com base nesse valor, cada asse vale R$ 3,47. Depois passou a valer 16 asses, o que deve ter representado um aumento no poder de compra, ou seja comprar mais com menos, então valeria hoje R$ 2,17. A dracma valia o mesmo que o denário, embora sendo o dracma uma moeda grega e o denário uma moeda romana, sabemos que o denário deveria valer mais que o dracma, pois após a Terceira Guerra Púnica (149-146 a.c.), Roma conquistou a Grécia e outras regiões do Mar Mediterrâneo. Por esse motivo sabemos que a moeda do Estado conquistador e dominador valia mais que a moeda do Estado conquistado e dominado.

IMPORTANTE – Utilizamos o padrão de 12 meses, considerando 30 dias para base de cálculo. O cálculo é simples equiparando o Dracma ao Denário

ATENÇÃO - A dracma grega de prata não deve ser confundida com a “dracma” de ouro (dar·kemóhn) das Escrituras Hebraicas, uma moeda geralmente equiparada ao darico persa (8,4 gramas; US$94,50 segundo valores modernos). — Esd 2:69; Ne 7:70-72.



Referências:
- Dracma, Estudo Perspicaz das Escrituras, Vol. 1 Aará-Escrita
- Gignoux, Philippe; Bates, Michael (1995). «Dihram». Enciclopédia Irânica. Vol. VII, Fasc.4. Nova Iorque: Bibliotheca Persica Press
- Casonatto, Oalberto, (2015) Qual o valor da Dracma, ABiblia.org
- Numismática, Jafet, Dracma
- GROTE, George – Historiador, Relato sobre o poder de compra do Dracma
- Instituto de Arte de Chicago - Produção de moedas da Grécia Antiga
- Bíblia Sagrada
- Enciclopédia Britânica, 2010


Postar um comentário

0 Comentários