EXPOSIÇÕES NUMISMÁTICAS - Elas ainda existem?


Colecionadores, numismatas e entusiastas da ciência que estuda as moedas, acompanham todos os anos o calendário de encontros numismáticos proposto pela sociedade mãe. Alguns vendedores fazem verdadeiras caravanas comerciais e garantem sua presença em vários eventos nas mais diversas cidades do Brasil. Até aí, tudo normal e profundamente apoiado por todos nós. Infelizmente o ponto negativo se dá por aqueles que são responsáveis em divulgar os eventos, levando informações equivocadas aos meios de comunicação das cidades que recebem os encontros. Digo isso, por perceber que os encontros numismáticos tem sido com grande frequência puramente comerciais, movimentando milhares de reais por evento, mas infelizmente pouco fomentando o genuíno colecionismo, deixando a ciência estagnada e restrita ao comércio na maioria das cidades por onde passam.

SENTIMOS FALTA - Das verdadeiras exposições, estas, trazendo maior interação com visitantes e contando com pessoas preparadas para recebê-los e dispostas a explicar e tirar dúvidas de quem inicia o interesse pela ciência numismática. Os iniciantes e muitos amadores utilizam a poderosa ferramenta da curiosidade e sequentes perguntas como principal arma em favor daqueles que de fato vivem do comércio de peças nos encontros. Um visitante motivado certamente sairá do encontro com algum negócio fechado.

MOMENTO OPORTUNO - Deixo esta crítica em momento oportuno nesse início de ano numismático, pois no último encontro em Brasília, levei um visitante que queria conhecer a ciência e infelizmente ao deixá-lo passear por entre as mesas, o mesmo se sentiu *excluído! Tal sentimento foi amplamente discutido comigo ao sair do evento. Confesso que isso me deixou pensativo e entristecido, pois os meios de comunicação da capital informavam anteriormente que o evento teria exposições.

NOVAS ESTRATÉGIAS - Devemos repensar estratégias, pois uma simples atitude de colocar uma pequena exposição numismática nos encontros, poderá ser eficaz e despertar uma nova paixão em algum visitante, também poderá oxigenar os pulmões dos comerciantes numismáticos. Muitas outras ações poderão contribuir para o bem daqueles que apreciam as exposições e muito mais para aqueles que vivem dos negócios do ramo colecionista.

"Pense fora da caixa, estimule os novos colecionadores. Essa atitude voltara para todos os comerciantes em forma de dividendos. O ganho cultural de uma atitude como essa, não tem preço!"

Reprovar nosso artigo é dar as costas para o público futuro que os aguarda nos próximos encontros. "Se não plantamos, não colhemos! Você tem plantado?" Pense nisso...

*Excluído – Meu amigo se sentiu excluído por não ter perguntas respondidas e ser até mesmo ignorado por alguns comerciantes nas diversas mesas do evento. Precisamos mudar com extrema urgência!


Postar um comentário

2 Comentários

  1. Infelizmente tenho que concordar que os "congressos" tem sido puramente comercias. Demais até. Exposições, palestras e/cursos dependem muito das organizações. Obviamente dá mais serviço e despesas, mas é assim que são estimulados os novos numismatas. Estes gerarão comércio para sustentar a roda girando. Diretorias pensantes são necessárias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A comunidade comerciante tem o dever de captar novos entusiastas para que a numismática não acabe como outras ciências esquecidas. Não ou comerciante, mas faço o possível para fomentar a numismática com as ferramentas que tenho.

      Excluir