PROPAGANDA NO DINHEIRO (500 CRUZEIROS) – Os Cruzeiros da Era Vargas. “Abertura dos Portos”


Como vimos no artigo anterior desta série, nosso objetivo maior é desvendar as alegorias contidas nas cédulas de Cruzeiros impressas durante a “Era Vargas”. A segunda cédula que dá continuidade ao nosso artigo nos oferece um salto no tempo e retrata um momento quase 300 anos posterior ao tema aludido na cédula de mil cruzeiros. Aqui também devemos entender uma escolha na ação que será relacionada ao rei D.João VI, pois a alegoria desenhada por Cadmo Fausto não retrata a chegada da família Real, mas a abertura dos portos brasileiros ao comércio internacional, ação que aconteceu alguns anos depois. Neste ponto percebemos uma ligação direta com a alegoria da cédula de mil cruzeiros, pois o Brasil novamente era retratado de uma forma mais pujante em seu processo de igualdade diante de nações, em tese, mais evoluídas.


A alegoria da Abertura dos portos gera o entendimento da escolha feita para a cédula de 500 cruzeiros, esclarecendo que esta ação repercutiria por se tratar de um importante fator econômico da história nacional.

Outra informação importante a ser destacada é a efígie estampada, pois, em tese, se apequena diante de um acontecimento tão importante para a nação. Podemos afirmar que a alegoria possui um valor maior que a personalidade presente. Sem retirar os méritos históricos da personalidade retratada.


500 Cruzeiros 1943 - Autografada (ABN)

500 Cruzeiros 1948 - Autografada (TLR)

500 Cruzeiros 1953 - Chancelas de Claudionor S. Lemos / Horácio Láfer

500 Cruzeiros 1955 - Chancelas de Claudionor S. Lemos / Eugênio Gudin
Esta cédula foi lançada após a morte de Getúlio Vargas 

Nosso país é rico em cultura. Explore a cultura nacional!

PERDEU A ÚLTIMA POSTAGEM DA SÉRIE?
PROPAGANDA NO DINHEIRO (1000 CRUZEIROS) - Os Cruzeiros da Era Vargas. "A primeira Missa".





Banner de parceria entre Diniz Numismática e Collectgram

Postar um comentário

0 Comentários