Sempre nos deparamos com detectoristas descobrindo raridades numismáticas ao redor do mundo. Um desses aventureiros desenterrou duas moedas raras que teriam pertencido a um homem rico. As moedas são datadas do século XIV, época que coincide com o período em que a Peste Negra devastava a Grã-Bretanha. Ambas as moedas retratam o rei Eduardo III, que tentava introduzir a cunhagem de moedas de ouro na Inglaterra a partir de 1344.

Uma das moedas descobertas – uma moeda com leopardo – foi considerada "falha", já que os custos de emissão eram elevados demais e o valor atribuído a ela sobrevalorizou ouro contra a prata.

A moeda possui 23 quilates, significando que é constituída por cerca de 96% de ouro puro. Além disso, a descoberta é considerada particularmente notável, uma vez que poucas dessas moedas foram cunhadas e quase nenhuma resistiu ao tempo. O rei tentava corrigir os problemas monetários por meio de introdução de novas moedas a partir de julho de 1344 a 1351, quando uma outra moeda foi cunhada. Esta foi designada como "nobre de ouro" e pesava ainda mais que o dobro da moeda "leopardo".

O aventureiro e detectorista britânico encontrou ambas as moedas perto da cidade de Reepham, no condado de Norfolk, em outubro de 2019, mas apenas agora os arqueólogos terminaram sua avaliação e deram publicidade ao achado. As moedas foram encontradas dobradas ao meio, mas em boas condições, apresentando pequenos arranhões provavelmente causados pela atividade agrícola.

Observe a moeda medieval vista de ângulos diferentes:

Os responsáveis pela avaliação e estudos da peça, alegam que quem possuía as duas moedas citadas em nosso artigo estariam no topo daquela sociedade. O seu valor convertido na atualidade corresponderia a US$ 16.700,00 ou cerca de R$ 81.916,84 em conversão livre na data de hoje (24/6).

O achado mostra que as moedas "leopardo" estiveram em circulação por mais tempo do que se pensava. Uma possibilidade para seu reinado inesperadamente longo é que a Peste Negra chegou à Inglaterra no final dos anos 1340, matando pelo menos um terço da população. Devemos ter em mente que normalmente, as autoridades optam por retirar de circulação uma moeda cancelada, mas a Peste Negra provavelmente deve de alguma forma ter minimizado a importância do recolhimento das peças, muito pela ocupação em deter o avanço da Peste Negra.

Dados retirados a partir de artigo publicado pelo Museu Britânico / Crédito das imagens: © CC BY 2.0 / MUSEU BRITÂNICO

Banner de parceria entre Diniz Numismática e Collectgram