APELIDO DAS MOEDAS E CÉDULAS DO BRASIL – Como os numismatas chamam as peças de coleção.



Você saberia nos dizer quantas pessoas têm algum tipo de apelido no mundo? Certamente será uma tarefa impossível nos dar essa resposta. No Brasil alteramos a ordem das coisas e distorcemos o real significado de algumas palavras. O apelido, na verdade, é oficialmente um sobrenome ou nome de família, é a parte de um nome pessoal que indica a família de um indivíduo Dependendo da cultura, todos os membros de uma unidade familiar podem ter apelidos idênticos ou podem haver variações com base nas regras culturais. Já a alcunha possui a definição que aqui no Brasil chamamos de “apelido”. A alcunha é uma palavra oriunda do árabe al-kunya, que se refere a uma designação não-oficial criada através de um relacionamento interpessoal, geralmente informal, para identificar uma determinada pessoa, objeto ou lugar, de acordo com uma característica que se destaque positiva ou negativamente, de forma a atribuir-lhe um valor específico ou destaque entre outros objetos ou indivíduos.

No mundo da numismática também chamamos algumas peças por sua alcunha ou apelido, no intuito de popularizar uma peça ou facilitar sua identificação em meio ao vasto material numismático brasileiro. Abaixo estão algumas das mais famosas moedas e como são chamadas pelos colecionadores.


COLETINHO – Designação para a moeda de 500 réis 1932 série vicentina

MOCINHA - A série de 2000 réis de 1924 a 1934

SIMBOLO DA FORTUNA – As de 500 e 1000 réis de 1924 a 1931

TOSTÃO - Moedas de 20 réis.

QUATROCENTÃO - Moedas de 400 réis, circuladas entre 1918 e 1935

CENTAVINHO - Moeda de 1 centavo cunhadas entre 1979 e 1983

MEIA PATACA – Moedas com valor facial de 160 réis

PATACA – Moedas com valor facial de 320 réis

PATACÃO – Moedas com valor facial de 960 réis

XEM-XEM – São as moedas de LXXX de 1820 devido o disco fino, ao cair emitia um som diferente"

DOBRÃO – Apelido dado para as moedas de 20.000 réis.

PINTINHO - 400 réis de 1725 de D. João V com apenas 1,07 gramas de ouro.

BELISÁRIO - A moeda de 50 réis (emissões de 1886-1888) era popularmente conhecida como "Belisário", fazendo referência ao, então, Ministro da Fazenda do Império (1885-1888) Francisco Belisário Soares de Sousa.


INGLESINHA – Cédula de 200 cruzeiros 2ª estampa do dom Pedro I. Em catálogo: C097 e C098


BAIANA – Cédula de 50.000 mil cruzeiros reais com o busto de uma baiana


GAÚCHO – Cédula de com o busto de um gaúcho


ABOBRINHA – As cédulas de 1000 cruzeiros 2a estampa


MOCINHA - Cédulas de réis da caixa de estabilização. Em catálogo: R184 a R190


IZILDINHA – Cédulas com valor facial de 500 e outras que apresentem a mesma alegoria. Em catálogo: R073


CABEÇÃO – São chamadas as cédulas com a imagem do Barão do Rio Branco. Em catálogo: C162 a C165

Em uma outra versão o busto do Barão do Rio Branco passou por algumas mudanças. Em catálogo: C162 a C165


FRANCESA – Cédula de 50 reais. Por ter sua impressão feita na França. Em catálogo: C324

Certamente existem muitos outros apelidos e alcunhas para as cédulas e moedas do Brasil. O regionalismo é o grande responsável por uma vasta quantidade destas alcunhas. Estas são especificamente chamadas assim por numismatas, colecionadores e comerciantes do ramo. O modo como alguns chamam o dinheiro em seus respectivos estados não entram no rol de alcunhas dos numismatas pois cada região possui uma forma global de se referirem ao dinheiro de qualquer valor ou espécie (tutu, arame, pila e muitos outros).

Referências:
Catalogo "Cédulas do Brasil" - 7a.edição - Amato/Irlei/Schütz


Postar um comentário

0 Comentários