CARIMBOS COROADOS – Regente Luísa de Gusmão (1667-1683)


As moedas continuam contando histórias em nosso blog. Hoje elas contarão um breve relato sobre de Luísa Maria Francisca de Gusmão e Sandoval, pelo seu casamento com João IV, veio a ser a primeira Rainha consorte de Portugal da Casa de Bragança. Foi nomeada regente durante a menoridade de D. Afonso VI, Príncipe Regente, entre 1667 e 1683. Período onde ocorreu a aplicação de carimbos com a esfera coroada oficializada em Carta Régia de 17/03/1668, entre outras.

Certamente uma das grandes personalidades que fizeram parte diretamente da história do Brasil, mas esquecida pelos livros. Ela era espanhola, filha da mais importante casa nobre da Espanha em seu tempo (Medina-Sidónia). Ficou conhecida como D. Luísa de Gusmão e Sandoval, Duquesa de Bragança, Rainha de Portugal e Regente do Reino.


UM CASAMENTO POLÍTICO COM D. JOÃO DE BRAGANÇA - D. Filipe II de Espanha tornou-se Rei de Portugal, assumindo o nome de Filipe I, nas Cortes de Tomar em 1581. Acabava a Independência de Portugal, mas acabou por ser um fato bem aceito por grande parte da nobreza, visto que seria cumprida a promessa que as cortes Portuguesa e Espanhola continuariam autônomas e independentes.

Na realidade durante grande parte do Reinado de D. Filipe I e do seu filho, D. Filipe II de Portugal, isso foi mais ou menos mantido. No entanto, no mandato de D. Filipe III isso começou a mudar. Então foi colocada em prática a ideia de fundir por completo os dois países.

O objetivo era conseguir por meio do matrimonio que as casas nobres Portuguesas e Espanholas fossem sendo misturadas pela via matrimonial.

Entre esses casamentos, um dos mais relevantes foi sem dúvida o de D. João de Bragança com D. Luísa de Gusmão. D. Luísa era filha do poderoso Duque de Medina-Sidónia, a mais importante casa Castelhana da época.

Já D. João de Bragança era um descendente direto de D. Manuel I, e a sua avó paterna, D. Catarina de Bragança, tinha sido a mais legítima sucessora do trono Português quando da ascensão de Filipe II de Espanha. No entanto por falta de apoio, da nobreza e até militares, D. Catarina não tentou ocupar o trono, fazendo valer seus direitos.

Como tal, casar o melhor pretendente Português ao trono com a filha da casa mais poderosa nobreza da Espanha parecia o plano perfeito para a Unificação.

A RAINHA REGENTE – D. João de Bragança se torna D. João IV, mas sua morte em  1656 trouxe um problema sucessório grave. O seu primogênito, em quem se depositava muitas esperanças, faleceu três anos antes do pai com apenas 19 anos. A seguir na linha de sucessão estava D. Afonso, que à morte do pai tinha apenas 13 anos. Além de ser fisicamente débil e mentalmente incapaz.

Então a Rainha vira Regente quando D. João IV deixa em testamento a regência do Reino à sua esposa, coisa que D. Luísa de Gusmão faz com brilhantismo, durante mais de cinco anos até 22 de Junho de 1662.

OS ÚLTIMOS ANOS DE D. LUÍSA - Alguns nobres aproximaram-se de D. Afonso VI e vendo sua situação mental e física, viram uma oportunidade de ganhar poder e influência diante do herdeiro incapacitado. Os oportunistas conseguiram que este ditasse o fim da Regência de D. Luísa de Gusmão. O motivo invocado, seria que estava a ser preparado por D. Luísa um golpe para colocar no poder o seu filho mais novo, e irmão de D. Afonso VI, D. Pedro II de Portugal. Algo que viria realmente a acontecer,  assumindo a regência no lugar do irmão incapaz, mas sem qualquer auxilio ou golpe liderado por D. Luísa. Em 1683, D. Afonso VI falece e D. Pedro II  de Portugal ascende ao trono após a morte do irmão.

D. Luísa de Gusmão acabaria por se retirar da vida pública para a clausura do Convento dos Agostinhos Descalços. Viria a falecer em 1666, e é sem dúvida uma das mulheres mais fortes e importantes na história de Portugal.

PARA NÃO CONFUNDIR – Não confunda D. Pedro II de Portugal com o do Brasil. São personalidades totalmente distintas e de períodos diferentes.

D. Pedro II de Portugal – Apelidado de "o Pacífico", foi o Rei de Portugal e Algarves de 1683 até sua morte, anteriormente servindo como regente de seu irmão o rei Afonso VI a partir de 1668 até sua ascensão ao trono. Era o quinto e último filho do rei João IV e sua esposa a rainha Luísa de Gusmão.

Nascimento: 26 de abril de 1648, Paço da Ribeira, Lisboa, Portugal
Falecimento: 9 de dezembro de 1706, Alcântara, Lisboa, Portugal
Casa: Casa de Bragança.

D. Pedro II do Brasil - Apelidado de “o Magnânimo”, foi o segundo e último imperador do Império do Brasil durante 58 anos, de 1831 até sua deposição em 1889. Nascido no Rio de Janeiro, foi o filho mais novo do imperador Pedro I e da imperatriz Dona Maria Leopoldina de Áustria .

Nascimento: 2 de dezembro de 1825, Paço de São Cristóvão
Falecimento: 5 de dezembro de 1891, Paris, França
Casa: Casa de Bragança.

ALGUMAS MOEDAS DO PERÍODO


Carimbo de 1$100 réis sobre 1 cruzado (ou 1/4 moeda)


Carimbo de 2$200 réis sobre 2 cruzados (1/2 moeda).


Carimbo de 4$400 réis sobre 4 cruzados (1 moeda).


Carimbo de 4 e 4$400 réis sobre 4 cruzados (ou 1 moeda).


Fontes:
Bruno Diniz / Brasil Moedas / Coin News / Forum de Numismática 

Postar um comentário

0 Comentários