Poucas pessoas no Brasil são exclusivamente colecionadoras de moedas! Parece forte e falsa essa afirmação, mas é totalmente verdadeira. Basta procurar um numismata que não é comerciante. Minha fala inicial pode ser facilmente comprovada em uma simples pesquisa em sites de busca, a partir dessa afirmação quero mostrar um ponto chave onde o foco é naquele que quer somente vender algumas moedas. 

É comum vermos por aí pessoas chamando moedas de circulação comum do Real de “Moedas raras brasileiras”. Quase um sacrilégio. Eu disse quase! Pois algumas moedas podem ser consideradas raras por conta de peculiaridades como anomalias ou defeitos e, mas isso não será objeto ou o foco do nosso artigo.

Tenho certeza que você está curioso com esse artigo, uma vez que, ele irá precificar algumas moedas do real. Tente se distanciar do mantra bedalhado nas rodas de “colecionadores” em redes sociais, o tal do “precificar para vender”. Neste artigo, iremos focar diretamente em moedas do real de circulação comum, onde podemos encontrar divididas por “moeda mais procuradas (escassas) e Preço”;

- 1 real, 1998 (Direitos Humanos) R$250,00

- 10 centavos, 1995 (FAO) R$75,00

- 25 centavos, 1995 (FAO) R$50,00

- 1 real, 1999 R$50,00

- 10 centavos, 1999 R$35,00

- 5 centavos, 1999 R$35,00

- 1 real, 2014 R$30,00

- 25 centavos, 2000 R$30,00

- 50 centavos, 2000 R$30,00

- 5 centavos, 2008 R$30,00

MOEDAS ESCASSAS DE 1 REAL – São chamadas assim simplesmente por não terem um número tão expressivo de peças conhecidas. Como o nosso artigo de hoje está voltado para os leigos, vou me limitar a informação de que existem tabelas que regem internacionalmente as moedas raras classificando as peças de acordo com a sua quantidade emitida ou conhecida. As moedas do Real não são contempladas nas colunas de raridade desta importante classificação.

PARA SABER MAIS SOBRE A CLASSIFICAÇÃO CITADA CLIQUE AQUI!

Eu sei que você ficou com muitas dúvidas mesmo com a nossa explicação. Certamente você fará a seguinte pergunta! Como vou saber ou conseguir calcular o valor de uma das minhas moedas do real citadas no artigo?

Novamente queremos salientar que talvez você pode ser um leitor leigo no assunto, por esse motivo, preciso que você preste muita atenção na seguinte informação. O valor de uma moeda escassa ou rara pode ser calculado com base nos seguintes fatores; tiragem ou cunhagem, estado de conservação, metal empregado e demanda pela peça, mas você ainda não tem uma fórmula matemática para determinar os valores correto? Sei que sim, e você está ficando ainda mais perdido! Claro que não vou lhe passar uma fórmula matemática, mas chegou a hora da verdade. Procure referências em catálogos do ramo, escute os especialistas consolidados e descarte matérias que dizem aquilo que você quer ouvir. Nem todas as moedas do real são raras e cada indivíduo possui uma percepção diferente sobre o que é muito dinheiro ou pouco dinheiro. Veja o exemplo baseado em minhas convicções como colecionador e numismata;

Para mim, uma moeda de 1 Real, DH, que possui o seu valor de circulação comum fixado em “1 Real” e é oferecida ao mercado de colecionadores por mais de 250 reais, esta, obteve um ganho de mais de 249 vezes o seu valor nominal. Isso para mim é muito dinheiro em relação ao valor original da moeda.

Você não ficará milionário, rico ou viverá de renda vendendo moedas do Real. Não existe comerciante no Brasil vivendo exclusivamente dessas moedinhas, como também não existe mágica para vender caminhões de moedas que alguns ditos “especialistas” colocam como raras com a intenção de ganhar likes vendendo sonhos. Eu sei que você deve estar desacreditado ou até mesmo negando as informações dadas por mim, mas você poderá tirar a prova! Tente vender com base nos valores irreais que divulgam por aí e você verá que cada palavra deste artigo buscou esclarecer e trazer a verdade aos que buscam simplesmente vender peças.

As moedas do real de circulação comum são no máximo escassas, seu valor de mercado? Certamente não está na casa dos milhares ou milhões.