MOEDAS MAIS VALORIZADAS DO MUNDO - Confira a lista com as principais moedas para 2021

Como numismatas muitas vezes especulamos sobre a procura e raridade de um determinado item. Algumas moedas conseguem manter sua valorização ao longo do ano, mas algumas podem aparecer repentinamente em um breve ranking daquilo que muitos julgam que ser as moedas mais procuradas em 2021. Certamente elas não estarão perdidas em suas gavetas, mas não custa sonhar!

Flowing Hair Dollar  1794 - US$ 10 milhões - Os Estados Unidos é o país que mais valoriza a numismática como ciência. Por esse, a maior parte das moedas mais valorizadas do mundo foram cunhadas pelos norte-americanas. A primeira moeda apresentada no ranking é justamente uma moeda dos Estados Unidos em sua primeira cunhagem de abrangência nacional, em 1794, pouco depois de sua independência da Inglaterra. A moeda é cunhada em prata (90%) e cobre (10%), cerca de 120 delas ainda sobrevivem e podem ser adquiridas por colecionadores mais abastados em 2021. A moeda poderá atingir em 2021 um valor superior aos R$ 55 milhões de reais.

Dobrão de Brasher, 1787 - US$ 7,4 milhões - Antes da oficialização do dólar por George Washington, outras moedas circulavam pelo território norte-americano, e uma delas era o Dobrão de Brasher. Brasher era o sobrenome do ourives que cunhou a famosa moeda, em 1787, no estado de Nova York. Uma obra de arte feita em ouro 22 quilates e pesando um pouco mais de 26 gramas, a moeda mais rara do tipo foi vendida em dezembro de 2011 por 7,4 milhões de dólares. Além do estado de preservação, o exemplar é o único que apresenta as iniciais de Ephraim Brasher no peito da águia, enquanto as demais moedas encontradas as têm nas asas.

Águia Dupla (Double Eagle), 1933 - US$ 7,37 milhões – A moeda é feita de ouro (90%) e cobre (10%), mas também pertence à história dos Estados Unidos. Criada em 1933 como parte do projeto de recuperação econômica após a crise de 1929, a chamada Águia Dupla de 20 Dólares nem chegou a entrar em circulação. Apesar de mais de 400 mil terem sido cunhadas, acredita-se que apenas 13 ainda existam em 2021. A única que não pertence ao governo norte-americano foi vendida durante um leilão da Sotheby’s realizado em julho de 2002, por 7,37 milhões de dólares, após passar anos na coleção do penúltimo rei do Egito e décadas perdida.

Dinar de Ouro de Omíada, 723 - US$ 6 milhões - A moeda mais cara do mundo está fora do território americano e também não foi cunhada por eles. A moeda em questão vem de muito antes dos europeus descobrirem as Américas, estando vinculada à história islâmica. Datada do início do século VIII, quando o Califado de Omíada se estendia desde o atual Paquistão até a Península Ibérica, a moeda foi vendida em 2011 por seis milhões de dólares durante leilão em Londres. Cunhado em ouro, é um dos primeiros exemplares a citar terras que hoje pertencem à Arábia Saudita. Acredita-se que a moeda tenha sido produzida a pedido do califa da época em referência à sua peregrinação à cidade de Meca, sagrada para os muçulmanos.

Proof Eagle, 1804 - US$ 5 milhões – Novamente temos uma moeda cunhada nos Estados Unidos, mas desta vez com uma moeda que foi criada como parte das relações diplomáticas com outros países. Apesar de ter grafado o ano de 1804, o exemplar foi cunhado em 1834, a pedido do presidente Andrew Jackson, para presentear autoridades asiáticas durante a abertura entre os mercados. Por ser uma edição limitada, apenas 64 foram produzidas e somente três sobreviveram até 2021. Feitas de ouro e com o valor de dez dólares à época, uma delas foi vendida por cinco milhões de dólares, em 2007, para um colecionador anônimo.

Liberty Head Nickel, 1913 - US$ 5 milhões - Também em 2007, outra moeda foi vendida nos Estados Unidos pelo mesmo valor da anterior: cinco milhões de dólares. Feita com níquel e originária de 1913, a moeda valia apenas cinco centavos de dólar na época, mas é considerada uma das mais raras do mundo por ter sido criada sem a autorização da Casa da Moeda norte-americana. Há registros de apenas cinco delas em 2021.

EID MAR, 42 a.C - US$ 4,17 milhões – A moeda mais antiga entre as mais caras do mundo vem do Império Romano, e justamente do período que gerou a expressão popular “até tu Brutus”. Cunhada no ano 42 antes de Cristo durante uma campanha militar liderada por Brutus (Marco Júnio Bruto), a moeda foi vendida por mais de 4,1 milhões de dólares em outubro de 2020. Além da idade, a raridade da moeda feita em ouro também se dá por suas inscrições. É a primeira a contar com o busto de Brutus de um lado e a fazer referência ao assassinato do imperador Júlio César, dois anos antes, do outro. No exemplar sobrevivente, é possível ler claramente ‘EID MAR’ abaixo de duas adagas. O termo em latim era uma abreviação para “Idos de Março” (15 de março no calendário romano), o dia em que Brutus participou do golpe fatal contra o então imperador em pleno senado de Roma.

Peça da Coroação, 1822 - US$ 499,3 mil (Sonho de consumo dos brasileiros) - Não podemos deixar de falar sobre a moeda mais procurada entre os numismatas brasileiros. Ela está muito distante de estar em uma lista de moedas mais caras do mundo, mas não podemos abandonar nossa cultura e história. Uma representante da numismática brasileira deve sempre ocupar um lugar de destaque em nossas listas. A peca da coroação foi a primeira moeda cunhada em um Brasil independente de Portugal. E como o nome já indica, sua criação teve como objetivo celebrar a coroação de Dom Pedro I como imperador, em 1822. Porém, o filho de Dom João não gostou do que viu sair da Casa da Moeda do Rio de Janeiro e ordenou o encerramento da produção. De acordo com a História, ele não teria gostado da sua representação ao estilo romano e da ausência da frase “constitucionalis et perpetuus Brasilia defensor” (constitucional e perpétuo defensor do Brasil, em latim). Das 64 moedas de ouro 22 quilates criadas pelo escultor e gravurista Zeferino Ferrez, acredita-se que apenas 16 tenham sobrevivido até 2021. Em 2014, a mais valiosa delas foi vendida durante um leilão da Heritage, nos Estados Unidos, por 499,3 mil dólares (mais de R$ 2,5 milhões na cotação atual). Se você ainda não viu a mais importante moeda brasileira, exemplares originais podem ser vistos no Museu de Valores do Banco Central (Brasília), no Museu Numismático Herculano Pires (São Paulo), no Museu Histórico Nacional e no Centro Cultural do Banco do Brasil (Rio de Janeiro).

Que em 2021 todos os seus sonhos possam se realizar, mas sempre tendo como maiores propulsores o trabalho duro, a dedicação e a coragem para continuar mesmo diante das dificuldades.

Banner de parceria entre Diniz Numismática e Collectgram

Postar um comentário

0 Comentários